Gripe e Prevenção

Quem está em risco? Todos estamos em risco.

A gripe é uma doença altamente contagiosa e por isso todos podemos estar em risco. Todos os anos, a nível mundial, o vírus influenza atinge em média 5 a 10% dos adultos e 20 a 30% das crianças. Na Europa, é responsável por 4 –50 milhões de casos sintomáticos de gripe sazonal e por 15.000 a 70.000 mortes.

A gripe é, responsável por uma morbilidade e mortalidade significativas, em particular nos adultos mais idosos, nas crianças com menos de 2 anos e nas pessoas de qualquer idade que apresentem certas condições clínicas subjacentes, tais como doenças crónicas, sejam elas do foro cardíaco, pulmonar, renal, hepático, doenças sanguíneas ou metabólicas (como a diabetes), não esquecendo a imunosenescência (o envelhecimento do sistema imunitário).

O que é a gripe?

A gripe sazonal é uma infeção viral aguda, provocada pelo vírus influenza, que se transmite facilmente de pessoa para pessoa e circula durante todo o ano. A gripe transmite-se predominantemente através de gotículas de saliva e através do contacto com pessoas que tossem ou espirram e por transmissão indireta através de secreções respiratórias nas mãos, lenços, etc. O período de incubação varia entre um a cinco dias, com uma média de dois dias.

A gripe sazonal é caracterizada pelo aparecimento súbito de febre, tosse (geralmente seca), dor de cabeça, dor muscular e articular, mal-estar (indisposição), dor de garganta e corrimento nasal. A tosse pode ser intensa e durar 2 ou mais semanas. A maioria das pessoas recupera da febre e dos restantes sintomas no espaço de uma semana. Mas, a gripe pode causar problemas graves ou até mesmo morte, sobretudo em grupos de risco. O maior risco de complicações ocorre entre mulheres grávidas, crianças, idosos, indivíduos com condições médicas crónicas específicas, como asma e doenças crónicas do coração ou dos pulmões. Em todo o mundo, as epidemias anuais de gripe provocam entre três a cinco milhões de casos de doença grave e 250.000 a 650.000 mortes.

Quais são os grupos de risco?

Todos estamos em risco. No entanto, há grupos mais suscetíveis ao vírus da gripe, tais como as pessoas com mais de 65 anos, doentes crónicos com diabetes, DPOC, doenças cardíacas, entre outras, crianças, grávidas e profissionais de saúde em contacto direto com os doentes.

Pessoas com mais de 65 anos

A gripe é uma doença imprevisível, mas depois dos 65 anos tudo se pode complicar mais devido à idade e ao envelhecimento do nosso corpo. As defesas imunitárias ficam mais fracas levando a que as pessoas fiquem mais suscetíveis e tenham maior risco de sofrer complicações com a gripe.

Crianças 

Os mais pequenos são o grande foco de contágio. Uma criança pode transmitir mais vírus que os adultos, contagiar outras crianças, professores, pais e um grupo vulnerável que não podemos esquecer, os avós. Nas crianças, para além da doença, a gripe pode trazer mais facilmente complicações graves que impactam a vida dos cuidadores, em termos económicos, sociais e de saúde. Recorrentemente, a criança ao ficar doente, faz com que os pais tenham de faltar ao trabalho, se desloquem a urgências médicas e tenham gastos com medicação e serviços. A prevenção assume um papel chave para reduzir a carga da doença nas crianças. 

Grávidas 

No que se refere às grávidas, também a prevenção pela vacinação contra a gripe é aconselhada, uma vez que as alterações hormonais podem gerar maior risco aos efeitos da doença. Simultaneamente, com a vacinação contra a gripe, estamos a dar a possibilidade de a grávida produzir anticorpos específicos, que são defesas passadas ao feto e que o poderão proteger nos primeiros seis meses de vida, enquanto não pode ser vacinado. 

Profissionais de saúde 

Através da vacinação, os profissionais de saúde protegem-se a si e aos seus doentes contra a gripe. O exemplo do profissional de saúde é a forma mais eficaz de aconselhar a prevenção aos seus utentes.

Doentes Crónicos 

O vírus da gripe em doentes crónicos, como pessoas com diabetes, com doenças respiratórias ou cardiovasculares, pode potenciar os sintomas dessas doenças e levar a uma diminuição da resistência às infeções. 

Complicações da Gripe

Prevenção

A vacinação é o meio mais eficaz de prevenção da gripe e das suas complicações. Só com o esforço de todos podemos diminuir o impacto económico e social que a gripe tem todos os anos. Ao nível da prevenção, temos disponível desde 2018, como na maioria dos países europeus, vacinas contra quatro estirpes de gripe que conferem uma proteção mais alargada. A Organização Mundial de Saúde incluiu esta nova vacina quadrivalente contra a gripe nas suas recomendações, afirmando que: “as vacinas quadrivalentes contra a gripe podem proporcionar uma maior proteção contra o vírus influenza tipo B, e estão disponíveis, pelo que as recomendações não devem ser limitadas à vacina trivalente”.

A Gripe em primeira mão…

A Amélia foi alertada que a gripe é uma ameaça real para as pessoas com asma. Esta é a sua história.
Três dias após ter tido gripe, o António teve um ataque cardíaco. Conheça o seu testemunho. 
O médico do Carlos avisou-o que a gripe podia afetar a diabetes: conheça a sua história.
O Ricardo nunca mais vai esquecer o episódio de gripe. Saiba porquê.
Mulher com bebé ao colo

Vacinómetro

Lançado em 2009 em Portugal, o Vacinómetro™, permite monitorizar em tempo real, a taxa de cobertura da vacinação contra a gripe em grupos prioritários recomendados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).