Gripe e Prevenção

A gripe é uma infeção séria que pode ter consequências graves e inesperadas

A vacina ajuda a prevenir a gripe e a reduzir o risco de complicações graves causadas pela doença

Saiba mais sobre os seguintes tópicos:

Quem está em risco? Todos estamos em risco.

A gripe é uma doença altamente contagiosa e por isso todos podemos estar em risco. Todos os anos, a nível mundial, o vírus influenza atinge em média 5 a 10% dos adultos e 20 a 30% das crianças1. Na Europa, é responsável por 4 –50 milhões de casos sintomáticos de gripe sazonal e por 15.000 a 70.000 mortes2.

A gripe é, responsável por uma morbilidade e mortalidade significativas, existindo um maior risco em adultos mais idosos, em parte relacionado com imunosenescência (o envelhecimento do sistema imunitário), nas crianças com menos de 5 anos, em especial nas que têm menos de 2 anos, nas mulheres grávidas e nas pessoas de qualquer idade que apresentem certas condições clínicas subjacentes, tais como doenças crónicas, sejam elas do foro cardíaco, pulmonar, renal, hepático, doenças sanguíneas ou endócrinas (como a diabetes)3.

O que é a gripe?

A gripe sazonal é uma infeção viral aguda, provocada pelo vírus influenza, que se transmite facilmente de pessoa para pessoa. A gripe transmite-se predominantemente através de gotículas de saliva e através do contacto com pessoas que tossem ou espirram e por transmissão indireta através de secreções respiratórias nas mãos, lenços, etc2. O período de incubação varia entre um a cinco dias, com uma média de dois dias. O período de contágio pode começar 1 a 2 dias antes do início dos sintomas e vai até 7 dias depois, sendo que nas crianças este período pode ser maior4.

A gripe sazonal no adulto é caracterizada por início súbito de mal¬estar, febre alta, dores musculares e articulares, dores de cabeça e tosse seca. Pode também ocorrer inflamação dos olhos4.

Nas crianças, os sintomas dependem da idade. Nos bebés, a febre e prostração são as manifestações mais comuns. Os sintomas gastrintestinais (náuseas, vómitos, diarreia) e respiratórios (laringite, bronquiolite) são frequentes. A otite média pode ser uma complicação frequente no grupo etário até aos 3 anos. Em crianças mais velhas os sintomas são semelhantes aos do adulto4.

A gripe é, habitualmente, uma doença de curta duração (3 a 4 dias) com sintomas de intensidade ligeira ou moderada, evolução benigna e recuperação completa em 1 ou 2 semanas4. No entanto, a gripe pode causar problemas graves ou até mesmo a morte, sobretudo em grupos de risco. O maior risco de complicações ocorre em mulheres grávidas, crianças, idosos, indivíduos com condições médicas crónicas específicas, como asma, doenças crónicas cardíacas ou pulmonares, diabetes, HIV/SIDA, doenças oncológicas e doenças neurológicas3. Em todo o mundo, as epidemias anuais de gripe provocam entre três a cinco milhões de casos de doença grave e 290.000 a 650.000 mortes5.

Quais são os grupos de risco?

Todos estamos em risco. No entanto, há grupos de maior risco de contrair gripe, tais como as pessoas com mais de 65 anos, doentes crónicos com diabetes, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), doenças cardíacas, entre outras, crianças e grávidas. Os profissionais de saúde, por estarem em contacto directo com doentes, têm grande probabilidade de contrair a infeção, e por isso a vacinação contra a gripe também é aconselhada3,4,6,7.

Pessoas com mais de 65 anos

A gripe é uma doença imprevisível, mas depois dos 65 anos tudo se pode complicar mais, devido à idade e ao envelhecimento do nosso corpo. As defesas imunitárias ficam mais fracas levando a que as pessoas fiquem mais suscetíveis e tenham maior risco de sofrer complicações associadas à gripe. Cerca de 70 a 85% das mortes relacionadas com a gripe sazonal ocorrem em pessoas com 65 ou mais anos de idade e 50% a 70% das hospitalizações relacionadas com a gripe ocorrem nesta faixa etária8.

Crianças

As crianças com menos de 5 anos, em especial as que têm menos de 2 anos têm maior risco de desenvolver complicações associadas à gripe, como pneumonia, desidratação, agravamento de outras doenças existentes como asma ou doença cardíaca, disfunção cerebral e problemas sinusais ou infeções dos ouvidos 9.

Grávidas

No que se refere às grávidas, também a prevenção da gripe através da vacinação é aconselhada, uma vez que as alterações no sistema imunitário, cardíaco e pulmonar podem gerar maior risco em consequência da doença4 . Simultaneamente, com a vacinação contra a gripe, estamos a dar a possibilidade da grávida produzir anticorpos específicos, que são defesas passadas ao feto e que poderão proteger o bebé nos primeiros meses de vida, enquanto não pode ser vacinado10.

Profissionais de saúde

Os profissionais de saúde contactam diretamente com doentes, aumentando a probabilidade de contrair e transmitir a doença. Através da vacinação, os profissionais de saúde protegem-se a si e aos seus doentes contra a gripe6,7.

Doentes Crónicos

O vírus da gripe em doentes crónicos, como pessoas com diabetes, com doenças respiratórias ou cardiovasculares, pode potenciar os sintomas dessas doenças e levar a uma diminuição da resistência às infeções2.

Complicações da Gripe

Algumas complicações de saúde que podem ser originadas ou agravadas com a gripe, permanecem ainda desconhecidas por parte da população.

A gripe, apesar de ser uma infeção respiratória, pode originar complicações cardiovasculares. Nos 3 dias seguintes à infeção por gripe, o risco de sofrer um enfarte agudo do miocárdio pode aumentar até 10 vezes e o risco de sofrer um AVC (Acidente Vascular Cerebral), pode aumentar até 8 vezes12.

A gripe pode ainda agravar outras condições subjacentes, e por isso, as pessoas com asma, doença obstrutiva crónica, doenças cardíacas e diabetes, por exemplo, têm um risco aumentado de desenvolver complicações mais graves quando contraem gripe3.

No caso da população com 65 ou mais anos de idade, cerca de 70 a 85% das mortes relacionadas com a gripe sazonal e 50% a 70% das hospitalizações relacionadas com a mesma doença ocorrem nesta faixa etária8.

Prevenção

A vacinação anual é a melhor forma de prevenção da gripe e das suas complicações13. Só com o esforço de todos podemos diminuir o impacto individual, social e económico que a gripe tem todos os anos. Ao nível da prevenção, temos disponível desde 2018 em Portugal, tal como na maioria dos países europeus, vacinas contra quatro estirpes de gripe que conferem uma proteção mais alargada.

Após a administração da vacina, o desenvolvimento de anticorpos que vão proteger contra o vírus da gripe, acontece em cerca de 2 semanas. Contudo, enquanto o vírus da gripe estiver em circulação, nunca é demasiado tarde para se vacinar11.

Alguns mitos sobre a Gripe

A GRIPE NÃO É UMA DOENÇA PERIGOSA
A gripe pode tornar-se uma doença grave e fatal. A nível mundial, registam-se aproximadamente 650 000 mortes por ano associadas a esta doença4.

A GRIPE NÃO É CONTAGIOSA
A gripe é uma doença contagiosa. Apesar de geralmente se curar de forma rápida, as complicações, quando surgem, ocorrem sobretudo em pessoas com doenças crónicas ou com mais de 65 anos e em mulheres grávidas4,14.

SE SOU SAUDÁVEL, NÃO PRECISO DE ME VACINAR CONTRA A GRIPE
Todos podem ser infetados! Além disso, ficar doente também significa tornar-se portador do vírus e ser capaz de contagiar outras pessoas15.

QUEM FOI VACINADO O ANO PASSADO, NÃO PRECISA DE SER VACINADO ESTE ANO
Uma vez que a imunidade desenvolvida pela vacina contra a gripe diminui ao longo do tempo, vacinar- se anualmente é a melhor forma de se proteger. O mesmo se justifica devido às alterações constantes que o vírus Influenza sofre e que, por isso, requer uma vacina adaptada anualmente11.

A VACINA PROVOCA GRIPE
A vacina inativada contra a gripe não contém vírus vivos, pelo que não pode provocar a doença. No entanto, as pessoas vacinadas podem contrair outras infeções respiratórias virais que ocorrem durante a época de gripe e para as quais não há vacina4.

AS MULHERES GRÁVIDAS NÃO SE PODEM VACINAR CONTRA A GRIPE
A vacinação na gravidez está recomendada pela Direção-Geral da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde 4,14 .

Mulher com bebé ao colo

Vacinómetro

Lançado em 2009 em Portugal, o Vacinómetro™, permite monitorizar em tempo real, a taxa de cobertura da vacinação contra a gripe em grupos prioritários recomendados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Referências:

  1. Adaptado de: WHO. Seasonal influenza. Disponível em: https://www.who.int/ith/diseases/influenza_seasonal/en/. Último acesso em: Julho 2020
  2. ECDC: Factsheet about seasonal influenza. Disponível em: https://www.ecdc.europa.eu/en/seasonal-influenza/facts/factsheet. Último acesso em: Julho 2020
  3. Adaptado de: CDC. People at High Risk for Flu Complications. Disponível em: https://www.cdc.gov/flu/highrisk/index.htm. Último acesso em: Julho 2020
  4. DGS. Gripe – Perguntas e Respostas. Disponível em: : https://www.dgs.pt/paginas-de- sistema/saude-de-a-a-z/gripe/perguntas-e-respostas.aspx..Último acesso em: Julho 2020
  5. WHO. Fact sheet influenza (seasonal). 2018 Disponível em: https://www.who.int/news- room/fact-sheets/detail/influenza-(seasonal) . Último acesso em: Outubro 2020
  6. DGS. Saúde Pública. Gripe. Disponível em: https://www.dgs.pt/saude-publica1/gripe.aspx. Último acesso em Outubro 2020
  7. CDC. Influenza Vaccination Information for Health Care Workers. Disponível em: https://www.cdc.gov/flu/professionals/healthcareworkers.htm. Último acesso em Outubro 2020
  8. CDC. People 65 Years and Older & Influenza. Disponível em: https://www.cdc.gov/flu/highrisk/65over.htm. Último acesso em: Julho 2020
  9. CDC. Flu & Young Children. Disponível em: https://www.cdc.gov/flu/highrisk/children.htm. Último Acesso em Outubro 2020
  10. CDC. Influenza (Flu) Vaccine and Pregnancy. Disponível em: https://www.cdc.gov/vaccines/pregnancy/hcp-toolkit/flu-vaccine-pregnancy.html . Último acesso em: Julho 2020
  11. WHO. Seasonal influenza FAQ. Disponível em: https://www.euro.who.int/en/health- topics/communicable-diseases/influenza/seasonal-influenza/seasonal-influenza-faq. Último acesso em: Julho 2020.
  12. Warren-Gash C., Blackburn R., Whitaker H., McMenamin J., Hayward A.C. (2018). Laboratory- confirmed respiratory infections as triggers for acute myocardial infarction and stroke: a self- controlled case series analysis of national linked datasets from Scotland. European Respiratory Journal, 51(3), 1701794. Retrieved from: https://erj.ersjournals.com/content/51/3/1701794
  13. CDC. Prevent seasonal flu. Disponível em: https://www.cdc.gov/flu/prevent/index.html. Último acesso em: Julho 2020.
  14. Direção-Geral da Saúde. Gripe. Disponível em:https://www.dgs. pt/paginas-de-sistema/saude-de-a-a-z/gripe.aspx.Último acesso em: Agosto 2019.
  15. Robert A. et al. Transmission of Influenza: Implications for Control in Health Care Settings, Clinical Infectious Diseases 2003. 37(8);1094–1101.

Este site usa cookies para guardar informação no seu computador. Alguns cookies neste site são essenciais, pois permitem melhorar o desempenho e a experiência de navegação do utilizador, aumentando a rapuidez e a eficiência de resposta. Para saber mais sobre os cookies e os seus benefícios, por favor consulte a nossa política de cookies

Ao fechar esta mensagem ou ao navegar no website, está a concordar com a nossa utilização de cookies neste dispositivo, de acordo com a nossa política de cookies, a não ser que os tenha desactivado.

Para saber mais
OK